Como evitar o aborrecimento nos relacionamentos

Como evitar o aborrecimento nos relacionamentos

Os hormônios não estão mais no auge – e de repente o sexo está caindo cada vez com mais frequência. Nosso estudo de 2021, representativo da população, no qual mais de 3.800 pessoas foram questionadas sobre quais razões específicas as impediam de dormir com seus parceiros, mostra exatamente por que os casais renunciam ao sexo. Além do estresse e da fadiga, a falta de iniciativa também é um grande problema. As mulheres, em particular, também são mais propensas a renunciar à intimidade porque não se sentem atraentes – uma preocupação totalmente infundada, como mostram os dados.

Prazos em vez de conversa suja: fadiga, estresse e preocupações são os maiores assassinos do prazer

Sexo não é chamado de esporte na cama sem motivo – custa energia. Não é de se admirar que uma em cada duas mulheres (46 por cento) e um em cada três homens (31 por cento) estão mais frequentemente fora de humor porque estão muito cansados. 

E mesmo quando a energia está presente, sua mente tem que estar clara: as mulheres em particular tendem a renunciar ao sexo com mais frequência porque seus pensamentos giram em torno de outras coisas. 44 por cento das mulheres relatam que são regularmente submetidas a estresse no trabalho ou na vida cotidiana (homens: 33 por cento) e para cada três mulheres, preocupações pessoais, familiares ou profissionais causam mais frequentemente a falta de sexo (mulheres: 31 por cento, homens: 20 porcento).

Um em cada terceiro casal não faz sexo porque ninguém toma a iniciativa

Frequentemente, porém, não há razão concreta para não fazer sexo. Em cada terceiro relacionamento, na verdade não há razão para pular o sexo – mas isso simplesmente não acontece porque ninguém toma a iniciativa. Aqui, homens (33 por cento) e mulheres (31 por cento) concordam surpreendentemente que muitas vezes carecem de erotismo porque nenhum deles fez qualquer esforço para começar. É emocionante que pessoas de 30 a 39 anos (38 por cento) lutem mais com a falta de iniciativa do que casais mais jovens entre 18 e 29 anos (27 por cento).

Muitas mulheres não se sentem atraentes o suficiente – especialmente as pessoas mais jovens impedem a insegurança

Os ideais sociais também têm um efeito negativo na vida sexual dos casais. Uma em cada quatro mulheres (24 por cento) não permite sexo com mais frequência (!) Porque ela não se sente atraente o suficiente para isso. Para aqueles com menos de 30 anos, é até um em cada três (34 por cento). 

E isso é completamente infundado, porque apenas 8% dos homens afirmam que muitas vezes não têm vontade de ter sua parceira porque não a consideram atraente no momento. Os homens são mais autoconfiantes a esse respeito, apenas 7% dispensam porque lutam com sua aparência – embora os homens mais jovens sejam mais afetados por dúvidas (homens até 30: 13%).

Netflix sem um final feliz: não é incomum que as pessoas percam de vista a televisão e o smartphone

O carinho nem sempre é a preliminar: uma terceira mulher simplesmente gosta de se deitar nos braços de seu parceiro – sem sexo (32 por cento). Os homens parecem esperar com mais frequência; em qualquer caso, eles são menos propensos a afirmar que não estão fazendo sexo porque, na verdade, só querem abraçar (11%). Os casais também gostam de ser cativados – não um pelo outro, mas pelas séries e smartphones. 14 por cento dos amantes estão regularmente tão absortos em angústias emocionantes ou em seu feed de notícias que o sexo não ocorre.

Sexo artificial não: 22% das mulheres não querem sexo quando estão com raiva

Primeiro os trapos voam e depois as roupas? Não necessariamente, porque para muitos, raiva e proximidade física são incompatíveis. Um quinto das mulheres (22 por cento) e cada sétimo homem (15 por cento) evitam sexo se estiverem com raiva de seu parceiro. Outro clichê sexual, a proverbial dor de cabeça, realmente existe – mesmo que afete apenas uma pequena parte dos relacionamentos: as mulheres (14%) mantêm as mãos longe do parceiro duas vezes mais que os homens (7%) por causa das dores de cabeça. Em alguns casos, no entanto, a insatisfação com o sexo é o motivo: 9% dos homens e mulheres renunciam à intimidade com mais frequência porque presumem que, de qualquer maneira, não farão com que seu dinheiro valha a pena.

O sétimo ano: Em relacionamentos de longo prazo, a vida sexual (por enquanto) chega a um impasse

No começo, tudo é simples: os casais que iniciaram um relacionamento recente têm menos motivos para renunciar ao sexo do que os casais de longa data. Aqueles que estão juntos há menos de um ano tendem a pular o sexo com mais frequência para apenas acariciar (27 por cento). 

Entre um e três anos de relacionamento, surgem cada vez mais razões que impedem o sexo – sobretudo fadiga (43 por cento), preocupações (32 por cento), raiva de: o parceiro: em (23 por cento), a briga com a própria atratividade (32 por cento das mulheres) e dores de cabeça (14 por cento) são mais comuns. Com o tempo, as rotinas diárias também parecem ter um efeito crescente na vida amorosa: para cada cinco casais que estão juntos por três a cinco anos, smartphones e TVs fornecem distância no quarto (22 por cento). 

A maior parte do desprazer, no entanto, é encontrada em casais que estão em um relacionamento entre cinco e dez anos. Apenas 13% das mulheres e 21% dos homens afirmam nesta fase que não sentem nenhum desagrado. Quase uma em cada duas mulheres neste relacionamento tem menos sexo por causa do trabalho e do estresse diário (46 por cento) – o estresse tem um forte impacto nas mulheres (54 por cento). Felizmente, no entanto, o desejo aumenta novamente com o tempo: a partir dos 20 anos, um em cada quarto casal diz que não sente desprazer (24 por cento) – a partir dos 30, até um em cada três casais (30 por cento).

Em suma, os dados do estudo mostram claramente que, se não houver sexo no relacionamento, os fatores de estresse ou as razões emocionais são geralmente os responsáveis. Muito poucas pessoas na comunidade afirmam que perdem o desejo com mais frequência por causa de quartos barulhentos (8 por cento), calças de moletom e aparência folgada (6 por cento) ou iluminação forte e um ambiente perturbador (6 por cento). Aliás, não há motivo para ciúme: apenas 3% dos apaixonados renunciam à intimidade porque têm outra mulher ou outro homem em mente.

“Os casais confiam no fato de que o desejo simplesmente surge”

“Os relacionamentos de longo prazo, em particular, são afetados pela indiferença”. “Muitos casais confiam no fato de que a luxúria só surge depois de anos. Mas a vida cotidiana e os hábitos muitas vezes se sobrepõem ao desejo espontâneo e ao erotismo. Portanto, ambos os parceiros devem cuidar de sua sexualidade. 

A luxúria vem da excitação física, ou seja, beijo e toque carinhoso. Portanto, meu credo: não tenha pressa, marque horários específicos e comece primeiro – sem qualquer pressão de expectativa. Porque isso é particularmente prejudicial, como mostram os dados: expostas às suas próprias expectativas ou pressão social de beleza, as mulheres com mais frequência renunciam ao sexo. Expressar a necessidade de ‘apenas abraçar’ aqui cria abertamente proximidade em vez de paralisação. “

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *